Donate
login

SUPPORTED PROJECTS Informs PHI

Decolonizing Wealth

‘Decolonizing Wealth’ (em tradução livre “Decolonizando a riqueza”, sem edição ainda no Brasil) é uma análise provocativa da dinâmica colonial disfuncional em jogo na filantropia e nas finanças. O premiado executivo filantrópico Edgar Villanueva baseia-se nas tradições da maneira nativa de prescrever o remédio para restaurar o equilíbrio e curar nossas divisões.

Embora pareça contraintuitivo, a indústria filantrópica evoluiu para espelhar as estruturas coloniais e reproduzir a hierarquia, causando, em última análise, mais danos do que benefícios. Depois de 14 anos na filantropia, Edgar Villanueva viu além da fachada glamorosa e altruísta do campo e viu suas sombras: as redes dos velhos garotos, os complexos de salvadores e a opressão internalizada entre os “escravos domésticos” e aquelas poucas pessoas de cor selecionadas. quem ganha acesso. Todos estes financiadores reflectem e perpetuam a mesma dinâmica subjacente que nos separa deles e entre os que têm e os que não têm. Na mesma medida, denuncia a reprodução de sistemas de opressão, ao mesmo tempo que defende uma orientação para a justiça que abra as comportas a uma maré crescente que levanta todos os barcos. Na terceira e última secção, Villanueva oferece provocações radicais aos financiadores e descreve os seus Sete Passos para a Cura.

Com grande compaixão – porque a forma nativa é trazer o opressor para o círculo da cura – Villanueva é capaz de diagnosticar as falhas fatais na filantropia e fornecer soluções ponderadas para estes desequilíbrios sistêmicos.

Tratamento odontológico devolve qualidade de vida a rapaz de 16 anos

Viver com dores nos dentes era a realidade de Gabriel, um rapaz de 16 anos, de Campos dos Goytacazes. Ele participava da Obra do Salvador, projeto social que capacita jovens para o primeiro emprego no município. Foi quando a instituição recebeu a visita da equipe da Turma do Bem, organização apoiada pelo Instituto Phi que oferece atendimento odontológico gratuito a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Logo, a vida de Gabriel mudou.

O jovem foi selecionado pela triagem odontológica pois tinha dentes muito estragados por cáries. A mãe, Fabiele, já havia tentado buscar o tratamento pelo SUS.

“Onde eu moro, não tem posto de saúde. Eu tentei levar em um posto vizinho várias vezes, mas não se achava dentista. Cheguei a fazer um orçamento no particular, mas não consegui pagar. Ele sentia muitas dores e nenhum remédio passava”, conta Fabiele, que é faxineira e vive com os três filhos e o marido, que é padrasto dos meninos e está desempregado.

Com o início das consultas odontológicas da Turma do Bem, o menino ficou bastante animado, conta a mãe.

“Ele adorou. Logo nas primeiras consultas, chegou em casa e me mostrou um dente que a doutora recuperou. Estava quebrado, e agora nem parece que tinha nada”.

Gabriel já realizou restauração de dentes, limpeza e um tratamento de canal. Ainda estão previstos outros tratamentos endodônticos para ele.

“Eu não tinha conseguido resolver isso para meu filho. E agora está fazendo um bem danado para ele, e para mim, né? Ver Gabriel feliz, sem dores e com mais autoestima”, comemora Fabiele, contando ainda que agora, com mais qualidade de vida, Gabriel foi selecionado para o Programa Jovem Aprendiz.

Lançamento Censo GIFE 2022-2023


Warning: Undefined variable $cat_slug in /home/storage/b/61/5e/institutophi1/public_html/wp/wp-content/themes/phi/template-parts/content-projetos.php on line 106

GIFE anuncia o lançamento do Censo 22-23, pesquisa realizada a cada dois anos que reúne dados fundamentais para seus associados e, claro, para todo o setor.

O evento de lançamento será no dia 29/11. Inscrevam-se para o evento presencial ou online, e fiquem atentos para mais informações e detalhes!

https://www.eventbrite.com.br/e/lancamento-censo-2022-tickets-731179406287?aff=eemailordconf&ref=eemailordconf&utm_campaign=order_confirm&
utm_medium=email&utm_source=eventbrite&utm_term=viewevent

Credenciamento: 15h30
Evento: 16h-18h
Coquetel: 18h- 21h
Local: Farol Santander – Arena do 8º andar | Rua João Bricola, 24 – Centro, São Paulo – SP

Amazônia, a nova Minamata?’ lança luz sobre contaminação por mercúrio

Confira a entrevista do Instituto Phi com a produção do documentário, que lança agora sua campanha de impacto

Fonte: Divulgação

No Brasil, a Saúde Indígena identificou a solicitação por cadeiras de rodas, entre 2012 e 2016, para 178 crianças na região do Tapajós. A questão despertou a curiosidade de médicos e pesquisadores, que já suspeitavam do motivo do problema: o mercúrio usado no garimpo ilegal de ouro e descartado indiscriminadamente nos rios. Este foi o ponto de partida do documentário “Amazônia, a nova Minamata?”, dirigido por Jorge Bodanzky, que foi lançado este ano e retrata a saga do povo Munduruku em sua batalha para conter a contaminação.

O projeto foi um dos selecionados pelo programa internacional Good Pitch Brasil – que conecta os melhores documentários de impacto com agentes de transformação social, e que tem o apoio do Instituto Phi. Agora, o filme lança também uma campanha para engajar a população no combate ao garimpo ilegal e buscar por ações concretas que garantam a saúde dos indígenas e seus territórios.

Além de crianças nascidas com malformações e atrasos no desenvolvimento, adultos apresentam problemas de visão e relatam tremores e fraqueza. O mercúrio polui a água, o solo e o ar, e contamina peixes e pessoas. Desde o início do filme, em 2016, mais de 50 destas crianças com problemas neurológicos graves vieram a óbito.

No fim de setembro, a equipe do filme, lideranças indígenas, cientistas e parceiros participaram de uma roda de conversa no Espaço de Cinema Itaú-Unibanco para falar sobre os rumos do enfrentamento à contaminação por mercúrio no Rio Tapajós e imediações. O Instituto Phi conversou com Nuno Godolphim, documentarista e um dos produtores do filme, confira:

Como surge a ideia do documentário?

Nuno: Era 2016, eu e o Bodanzky estávamos rodando a Amazônia em um outro projeto, uma série da HBO, e fomos parar nesta aldeia, numa espécie de assembleia onde eles estavam comemorando o fato de terem conseguido parar o projeto de construção da Usina Hidrelétrica de São Luiz do Tapajós no território ancestral. Estávamos documentando este espírito de vitória e pensando em como o ativismo estava conseguido fazer coisas incríveis, afinal o fato era um marco na história do movimento indígena e ambiental brasileiro. No meio desta festa, uma figura destoava. Era o neurologista Erik Jennings (Secretaria de Saúde Indígena). Ele havia sido chamado pelo DSEI do Tapajós para investigar a razão de tanta demanda por cadeiras de rodas entre os Mundurukus. Na hora, percebemos que precisávamos contar essa história.

E como se desenvolveu a construção do roteiro?

Nuno: O Dr. Erik comentou sobre a história de Minamata, no Japão, onde na década de

50 uma fábrica despejou toneladas de mercúrio na baía, provocando uma catástrofe ambiental, matando centenas de pessoas e deixando milhares com sequelas até os dias de hoje. Coincidentemente, quando comecei minha carreira, um dos fotodocumentaristas que mais chamou minha atenção foi Eugene Smith e as imagens mais impactantes que eu já tinha visto dele eram as das vítimas de Minamata. Essas fotos correram o mundo e chamaram a atenção para o problema. Então, quando fui para a Amazônia pela primeira vez, em 1987, trabalhando para o Projeto Saúde e Alegria, já tinha notícia do perigo do mercúrio, ainda que não houvesse casos relatados de contaminação. Porém, o impacto do mercúrio no sistema nervoso central demora anos. Quando começamos a pesquisa do filme, descobrimos que médicos da Fiocruz já tinham feito uma pesquisa sobre a contaminação de mercúrio com o povo Yanomami. A líder Munduruku Alessandra Korap, quando percebeu que havia algo errado com a saúde de seu povo, os convidou a investigar a causa.

O que mais te impactou durante as filmagens na Amazônia?

Nuno: Não é só sobre como a Amazônia está sendo destruída e negligenciada, mas como as populações indígenas se tornaram reféns do garimpo. Os indígenas sustentaram por anos uma cultura independente, sem depender da sociedade branca, até que chegam invasores com máquinas pesadas que escavam o leito dos rios e espantam toda a sua caça e pesca, acabando com seu modelo de subsistência. A população começa a passar fome e aí o garimpeiros vêm e oferecem cestas básicas, colocam os povos ancestrais para trabalhar como empregados em suas próprias terras. Então, o que mais me marcou foi a resistência da própria população indígena em denunciar o garimpo.

Foi arriscado para a equipe filmar lá, denunciando essas atividades ilegais?

Nuno: As filmagens ocorreram entre 2019 e 2021. Nesta ocasião, a líder Alessandra Korap já vivia sob ameaça sistemática de morte, não por causa do filme, mas por ser defensora do território indígena de longa data. O Dr. Erik também passa por constantes ameaças até hoje. No filme, acompa,nhamos ele sendo ameaçado de morte pelos indígenas ligados ao garimpo. Nossa equipe foi ameaçada junto e eles tiveram que escapar enquanto o avião deles estava sendo atacado no aeroporto de Jacareacanga. O filme também mostra a casa da Maria Leusa, outra liderança Munduruku do Alto do Tapajós, sendo incendiada. Nesta época os garimpeiros atacaram a Polícia Federal que vai para Jacareacanga tentar controlar a atividade garimpeira. No governo Bolsonaro, esses garimpeiros foram empoderados, ganharam apoios de políticos locais, tornando esta região do Pará uma terra sem lei.

Fonte: Divulgação

O que é a campanha de impacto?

Nuno: Queremos pressionar o governo brasileiro e demais instituições a se mobilizarem em busca de soluções para conter esta dramática contaminação. Outro passo importante da campanha de impacto é a tradução e dublagem do filme nas línguas da Aliança dos Povos Indígenas pela Defesa do Território, que uniu Munduruku, Yanomami e Kayapó na luta contra o garimpo. Queremos fazer um circuito de exibição do filme dublado no maior número de aldeias possíveis, destes povos que são os mais atingidos pelo garimpo, visando empoderar a população indígena, através do esclarecimento em suas próprias línguas e para que eles próprios se afastem da atividade garimpeira. Queremos também envolver instituições de saúde para promover ações que ajudem as populações atingidas a descobrirem o estágio atual da contaminação em seus corpos e territórios, visando identificar os casos mais urgentes para tratamento em Santarém. Além disso, precisamos promover tecnologias e soluções práticas de saneamento e segurança alimentar, além de outras ações de desenvolvimento comunitário para garantir alternativas econômicas ao garimpo para o povo dos Munduruku. Por fim queremos fazer um chamamento aos cientistas para buscar formas de descontaminar os rios da Amazônia do mercúrio. Pois se nada for feito este mercúrio vai ficar ativo lá por mais de 100 anos. A campanha está em fase de arrecadação de financiamento.

Que desdobramentos são esperados com o filme e a campanha?

Nuno: Precisamos de uma política Panamazônica de enfrentamento ao garimpo e banimento do uso do mercúrio na atividade mineradora, envolvendo outras populações que vivem na Amazônia, de países como Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Venezuela e Suriname. Os danos causados são incalculáveis e de difícil reversão. Estamos começando uma discussão de nível internacional também junto com a Comissão de Minamata, que foi criada para erradicar definitivamente o uso do mercúrio no mundo, revisando as políticas sobre a mineração dita de pequena escala, mas que tem grande impacto na floresta. Também queremos fomentar um movimento para que a Organização Mundial de Comércio proíba o comércio do mercúrio em todo o planeta.

Para informações sobre apoio à campanha, entre em contato através do e-mail amazoniaminamata@gmail.com.

PROGRAMA SABERES 2024 ESTÁ COM INSCRIÇÕES ABERTAS

O programa busca a produção e o compartilhamento de conteúdo e conhecimento a partir da sistematização de práticas, experiências, reflexões e desenvolvimento de estudos e tecnologias sociais que possam impulsionar e posicionar as agendas da filantropia comunitária e de justiça social nos ecossistemas filantrópicos brasileiro e internacional.

A convocatória é aberta a lideranças e quadros profissionais que atuam nos campos da filantropia e da sociedade civil brasileira.

Será doado um valor total de 322 mil reais a sete pessoas, que receberão 46 mil reais para o desenvolvimento de propostas de produção de conhecimento relacionado a essas agendas, com duração de até oito meses.

👉🏽Inscrições de 30/10 a 30/11
https://redecomua.org.br/programa-saberes-2024/

Created and developed by Refinaria Design. Updated by Sense Design.