Doe
login

Informa PHI

Artigos e entrevistas

Agricultura familiar: os quintais ecoprodutivos implantados em casas de idosos pelo SERTA

Boletim Phi – Especial Meio Ambiente

No quintal de sua casa em Alto José do Pinho, Recife (PE), Dona Solange Lira planta verduras e legumes, como alface, tomate, pimentão, berinjela e couve, mas também temperos e chás – as chamadas “farmácias vivas” –, como hortelã, boldo, coentro, manjericão e louro. Aos 63 anos, ela nem imaginava ter um quintal ecoprodutivo e aprender técnicas de cultivo.

Dona Solange participa do projeto “Bem Viver nos Bairros”, do Serviço de Tecnologia Alternativa – SERTA, que atua em Recife e Região Metropolitana. Além de incentivar o reconhecimento do envelhecimento de forma positiva e saudável, o projeto implementa quintais ecoprodutivos na busca da segurança alimentar da população idosa com o aproveitamento dos espaços de suas casas. Através de um censo, são identificados os idosos em vulnerabilidade social.

Por causa da diabete e da pressão alta, ter uma alimentação mais natural tem sido muito bom para Dona Solange. Mais que isso, todo o atendimento que recebe no SERTA – psicológico, fisioterápico, aulas de dança e música, além das visitas da educadora social Cláudia, que cuida da transicão agroecológica, ajudaram a afastar a depressão.

Dona Solange Lira mora sozinha. Deixou de trabalhar há 28 anos, quando nasceu a filha, e precisava cuidar da bebê, ao mesmo tempo que cuidava da mãe enferma. Do marido, acabou se separando. Sua mãe faleceu há 7 anos. A filha agora está em outra cidade fazendo faculdade. Depois de um período difícil, ela voltou a sorrir.

“Agora estou assim, feliz. Abraço todo mundo, dou bom dia a todo mundo. Espero que esse projeto não acabe nunca”.

O projeto já teve duas edições, com a implantação de 600 quintais ecoprodutivos e duas hortas comunitárias no Alto José do Pinho e na Comunidade de Santa Luzia, em Recife. Agora, começará a ser executado, com apoio do Instituto Phi, na Região Metropolitana, beneficiando mais 100 pessoas em Recife, 150 em Jaboatão dos Guararapes, 200 em Cabo de Santo Agostinho e 150 em Ipojuca, num total de 600 pessoas.

O projeto é um exemplo de prática sustentável, na medida em que preserva mais os recursos naturais e a biodiversidade. Além disso, com uma participação de apenas 24,3% da área plantada no Brasil, a agricultura familiar tem grande relevância para a soberania alimentar e o abastecimento do mercado interno. Hoje 70% dos alimentos que estão na mesa dos brasileiros são produzidos por esses produtores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS DO INFORMA PHI

Histórias do mês

Quando o empreendedorismo resgata e celebra raízes

Boletim Phi

Boletim Phi: Meio ambiente em modo de emergência

Livros & Filmes

Mulheres do Terceiro Setor

Histórias do mês

Amor sem limites: a adoção de uma bebê com Síndrome de Down

Artigos e entrevistas

Ressignificando o amor: ‘Decidimos priorizar a doação’, diz casal de doadores

Histórias do mês

Um saque que fica para a história
Criado e desenvolvido pela Refinaria Design. Atualizado pela Sense Design.