Doe
login

Informa PHI

Artigos e entrevistas

Tragédia Yanomami: confira a entrevista com o fundador dos Médicos da Floresta, organização apoiada pelo Instituto Phi

À frente de uma das poucas equipes profissionais que tiveram acesso à terra indígena, Celso Takashi destaca que tratar da contaminação da água é o ponto de partida

No ano passado, a AMDAF – Associação Médicos da Floresta, organização apoiada pelo Instituto Phi, esteve pela primeira vez na Terra Yanomâmi, na Floresta Amazônica, que é atualmente palco de uma tragédia humanitária. A equipe de voluntários, que há seis anos leva tratamento médico de alta qualidade para áreas remotas, atendeu a duas etnias em sete regiões. Desde que voltou da primeira missão, com o apoio financeiro de empresas e pessoas físicas, atendendo aos apelos dos líderes locais, a AMDAF conseguiu mobilizar outras três viagens para Roraima em 2022. Trata-se de uma das poucas equipes profissionais que acessaram o povo Yanomâmi.

Em entrevista ao Instituto Phi, o Dr. Celso Takashi, oftalmologista, cirurgião especializado em catarata e um dos fundadores da AMDAF, conta que nunca havia visto nada parecido com a vulnerabilidade encontrada –  fruto da avanço do garimpo ilegal, que provocou desmatamento, destruição do leito dos rios, contaminação por mercúrio, aumento dos casos de malária, perda da soberania alimentar e desnutrição infantil. Ele destaca que tratar da contaminação da água é o ponto de partida para que o povo Yanomâmi possa viver com saúde. Confira a entrevista:

Como é o trabalho dos Médicos da Floresta e em que regiões atua?

Conectamos profissionais de saúde às necessidades dos nossos povos originários, em especial os que estão em regiões de difícil acesso. Prestamos atendimento médico clínico e cirúrgico, assistência odontológica e oftalmológica. Começamos pela oftalmologia, mas era preciso fazer mais. Sempre trabalhamos com clínicos gerais, pediatras e enfermeiros e depois incorporamos odontologia, ginecologia, infectologia e outras áreas. Dependendo das demandas da região, personalizamos a formação da equipe. Já percorremos o Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso; aldeias do Povo Pataxó, no extremo sul do Estado da Bahia; território Kaiowá, em Dourados (MS); comunidades do leste de Roraima e Terra Indígena do Vale do Javari (AM), além da Terra Yanomami (AM e RR). Regiões bem distintas e com problemas bem peculiares, mas que, de maneira geral, têm uma carência de infraestrutura básica de saúde, falta de indicadores que orientem os profissionais da área e escassez de medicamentos. 

Quantos profissionais já participaram das expedições e quantos atendimentos foram realizados?

Ao longo destes seis anos, mais de 100 voluntários. Eles vêm e vão, alguns participam de algumas expedições e não de outras. Incrivelmente, o limitante não é o profissional médico, temos um voluntariado forte. A parte mais difícil é o backoffice, isto é, a logística e a captação de recursos, porque as ações demandam um custo operacional alto, especialmente o deslocamento para as terras indígenas e a compra de medicamentos. Temos mais de 9 mil atendimentos prestados, dentre consultas médicas, oftalmológicas e odontológicas, mais de 300 cirurgias oftalmológicas e quase 3 mil óculos distribuídos, além de mais de 2 mil procedimentos odontológicos realizados.

Quais os desafios enfrentados pelas ONGs?

Existem as dificuldades logísticas, já que as ONGs que trabalham com povos originários muitas vezes operam em áreas remotas e de difícil acesso, o que pode dificultar a logística de transporte e suprimentos, a exigência de altos custos financeiros, devido ao transporte de equipamentos e equipes, e, muitas vezes, os desafios culturais, como a barreira do idioma, crenças e hábitos diferentes. É imprescindível trabalhar com respeito à cultura e às tradições das comunidades para estabelecer o elo de confiança. Crenças e práticas espirituais diferentes da medicina ‘tradicional’ precisam ser respeitadas. Na maioria das vezes, é importante trabalhar com intérpretes para garantir uma comunicação eficaz.

Como a realidade Yanomami é diferente da dos demais povos indígenas?

É inquestionável o quanto a presença dos garimpeiros contribui para o quadro de desnutrição severa, resultado da contaminação do solo e da fuga da caça, e para a proliferação de doenças na Terra Yanomâmi. A malária é totalmente tratável, mas com a miscigenação, vai havendo uma contaminação sequencial e, como o estado geral de saúde dos indígenas é muito frágil, principalmente o das crianças, que são subnutridas, a doença acaba sendo fatal. As equipes de saúde tentam tratar as verminoses, mas vivendo numa região contaminada, em pouco tempo o indígena é acometido novamente. É um ciclo perverso. E tem ainda a questão do mercúrio que contamina as águas, o que provoca problemas de médio e longo prazo muito graves, que atingem os sistemas esquelético e neurológico. Talvez ainda nem tenhamos tido tempo para ver quais serão todas as consequências. 

Além do combate ao garimpo ilegal, o que é preciso para solucionar o problema?

Há uma carência absoluta de saneamento básico e água segura. A água é contaminada, não só pelo mercúrio, mas também outros patógenos, como vermes,  vírus, bactérias e protozoários. Minha opinião é que é necessário um plano de médio a longo a prazo de saneamento básico, achando um equilíbrio entre preservação da cultura indígena e o mínimo de condições para eles viverem com saúde.  Sem água de qualidade, o risco é tratar os doentes, mas as doenças voltarem. Por isso, começamos a firmar parcerias para buscar soluções. No curto prazo, com algumas startups que disponibilizam filtros portáteis de carvão ativado ou de membrana. Para o médio e longo prazo, estamos conversando com agências sobre parcerias para a construção de sistemas mais robustos e de longa duração, com perfuração de poços e tratamento de água.

Está nos planos dos Médicos da Floresta retornar para a Terra Yanomami?

Com  a intervenção federal e a presença maciça das forças armadas e da equipe do Ministério da Saúde, acreditamos que a ação emergencial esteja sendo bem conduzida. Quando essa força-tarefa começar a se dissipar, melhoras contínuas e o acompanhamento das populações serão fundamentais para que a população se mantenha saudável. Nesse momento, teremos um papel importante para complementar o trabalho que foi iniciado. Paralelamente, estamos planejando ações cirúrgicas no Xingu e no Vale do Javari e também trabalhando para viabilizar nosso projeto de uma unidade móvel, um ônibus que será transformado num consultório médico itinerante. Estamos na fase final de captação de recursos.

No Boletim Phi, leia matéria sobre projetos sociais que apoiam os povos originários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS DO INFORMA PHI

Artigos e entrevistas

Ressignificando o amor: ‘Decidimos priorizar a doação’, diz casal de doadores

Histórias do mês

Um saque que fica para a história

Histórias do mês

De menino ‘difícil’ a atleta paralímpico do tênis de mesa

Boletim Phi

Quem financia os custos operacionais de uma ONG?

Histórias do mês

Permanência na universidade garantida pela retribuição de ex-alunos

Nossa Rede

Imprensa e Terceiro Setor – Guia Prático Para Jornalistas
Criado e desenvolvido pela Refinaria Design. Atualizado pela Sense Design.