Doe
login

Informa PHI

Artigos e entrevistas

O papel fundamental das mulheres na filantropia

Luiza Serpa

Artigo publicado na Revista Filantropia

O mundo da filantropia está mudando. Há mais ênfase, por exemplo, em causas como igualdade de gênero e sustentabilidade. É que uma gama mais diversificada e representativa de vozes está começando a influenciar a tomada de decisões. E são as mulheres que estão entre os principais impulsionadores desta mudança – de um lado, as doadoras e, de outro, as empreendedoras sociais e líderes comunitárias. Eu as vejo todos os dias.

As mulheres em todos os níveis de renda, raça, etnias e gerações estão mais propensas a doar – e doar mais – de acordo com pesquisas, como a conduzida pelo Women’s Philanthropy Institute, na Indiana University Lilly Family School of Philanthropy, ou o “Brasil Giving 2021: Um retrato da doação no Brasil”, do Instituto de Desenvolvimento para o Investimento Social (IDIS).  

O crescente poder financeiro das mulheres, embora ainda seja desigual e injusto, vem representando para elas uma oportunidade de dar voz às questões com as quais se preocupam e contribuir para a transformação social.  Não que mulheres fazendo filantropia seja novidade. Mas, por muitas décadas, elas doavam dinheiro em nome de seus maridos ou o faziam sem amplo reconhecimento. 

Ao mesmo tempo, no terceiro setor, segundo estudo do IPEA, as mulheres são maioria e representam 65% das pessoas empregadas nas Organizações da Sociedade Civil (vale destacar que, com a cultura do patriarcado, certamente os homens ainda são maioria em posições de liderança, como em todos os setores da economia). Essas mulheres são empreendedoras sociais, líderes comunitárias e muitas trabalhadoras que estão assumindo riscos e inovando; que estão construindo um novo caminho no setor filantrópico dentro de suas respectivas causas ao enfrentar problemas históricos usando novas soluções.

São mulheres que muitas vezes vivem com a sobrecarga de jornadas triplas (casa, emprego e filhos), cuidando de suas famílias e ainda de tantas outras em situação de vulnerabilidade. Muitas delas provenientes de famílias pobres, buscando quebrar o ciclo de pobreza intergeracional. Fomentando ou buscando redes de apoio para buscar aprendizado contínuo, compartilhar conhecimento e gerar valor. Nomes? Tenho uma lista que não acaba!

Neste Dia Internacional da Mulher, eu gostaria de dizer que sinto tanto orgulho de ser mulher. Nunca foi uma jornada fácil, mas continuaremos buscando novas perspectivas para nos relacionar com o mundo e ajudar a garantir a redução das desigualdades e mais justiça para todas e todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS DO INFORMA PHI

Histórias do mês

Família a gente escolhe, sim, e Matheus escolheu a Amar

Livros & Filmes

Via Ápia

Livros & Filmes

Aurora

Nossa Rede

Abraçando aComplexidade

Boletim Phi

A decolonização da filantropia no combate à desigualdade

Nossa Rede

O Futuro da Filantropia no Brasil: Contribuir para a justiça social e ambiental
Criado e desenvolvido pela Refinaria Design. Atualizado pela Sense Design.