Doe
login

Informa PHI

Artigos e entrevistas

Água limpa para quem precisa: mulheres chefes de família de Jardim Gramacho recebem kit da Água Camelo

Boletim Phi – Especial de Meio Ambiente

Em 2020, a cozinheira Miriam Oliveira e seus dois filhos, então com 11 e 17 anos, finalmente se livraram das dores de estômago e da náusea. Moradores de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias (RJ) naquele ano eles receberam um kit de acesso à água tratada startup de impacto ambiental Água Camelo. Até então, eles bebiam água do cano da rua, sem tratamento nenhum para consumo.

Recentemente, Miriam se emocionou ao reencontrar com “os meninos” da Água Camelo, numa ação apoiada pelo Instituto Phi de doação de 20 kits para mulheres chefes de família e catadoras do Programa Jardineiras de Jardim Gramacho, promovido pela ONG ReMAR  (Repensando Mudanças Através dos Resíduos), que visa fortalecer e estimular a cadeia de reciclagem local. A ação aconteceu na sede de outra ONG, o Projeto Gramachinhos, de educação infantil, onde Miriam é cozinheira.

“Conheço a maioria das mulheres, uma delas é minha vizinha. E sei que elas precisam muito do kit, assim como eu precisava”, diz Miriam.

Com capacidade para armazenamento de até 15 litros de água por vez, o Kit Camelo foi desenvolvido observando as quatro etapas necessárias para que uma pessoa, sem cobertura de saneamento básico, possa providenciar para obter água potável: captação, transporte, armazenamento e filtragem.

O kit é composto por uma mochila que filtra a água, eliminando bactérias, protozoários e partículas em suspensão, transformando-a em própria para o consumo, além do manual para pessoas com ou sem facilidade de leitura. A manutenção é feita pelos próprios usuários, sem necessidade de compra de peças. O reencontro de Miriam com a equipe da Água Camelo aconteceu na oficina de capacitação das novas beneficiárias para uso e manutenção do kit.

“Essa é uma das etapas mais importantes da implementação dos kits da Água Camelo. É neste momento que eles aprendem a usar os materiais, bem como a sua manutenção, além das oficinas chamadas de “Wash”, de conscientização sobre consumo consciente da água, saneamento e higiene”, explica o cofundador e diretor de Comunicação e Comunidades da Água Camelo, João Manuel Piedrafita.

Ele lembra que Jardim Gramacho foi o primeiro lugar a receber os Kits Camelo quando a Água Camelo foi criada, em 2020. No bairro funcionou por 35 anos o maior lixão da América Latina, desativado em 2012 com o avanço da legislação ambiental. No entanto, a intervenção do poder público não incluiu a implementação de um plano de reinserção social dos moradores da região, que faziam do lixo sua principal fonte de renda. Além disso, grande parte da população vive sem saneamento básico e energia.

Segundo a ONU, até 2030 a demanda por água deverá aumentar 50% no mundo. Isso num planeta em que cerca de 80% do esgoto produzido pelo homem volta à natureza sem ser tratado. E mais de um terço da população mundial não tem acesso a água tratada – no Brasil, são cerca de 36 milhões de brasileiros, segundo o Instituto Trata Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS DO INFORMA PHI

Histórias do mês

Família a gente escolhe, sim, e Matheus escolheu a Amar

Livros & Filmes

Via Ápia

Livros & Filmes

Aurora

Nossa Rede

Abraçando aComplexidade

Boletim Phi

A decolonização da filantropia no combate à desigualdade

Nossa Rede

O Futuro da Filantropia no Brasil: Contribuir para a justiça social e ambiental
Criado e desenvolvido pela Refinaria Design. Atualizado pela Sense Design.