Donate
login

Supported Projects História do Mês

Da infância no Pavão-Pavãozinho para o doutorado nos Estados Unidos

Hoje doutorando nos EUA, Jeferson Ribeiro foi aluno do Solar por 10 anos

A boa notícia corre por todas as salas de aula do Solar Meninos de Luz: Jeferson Ribeiro, que entrou na organização filantrópica ainda menino, em 2002, e participou do programa de educação integral até se formar no Ensino Médio, em 2011, agora é doutorando de Ciências Biológicas na Washington University, em St. Louis (EUA).

A história de Jeferson começa como a de muitos brasileiros. Seus pais, cearenses de Guaraciaba do Norte, fustigados pela seca, fome e falta de emprego, deixaram o Nordeste rumo ao “eldorado” do Rio de Janeiro quando o filho nasceu. Trocaram a miséria do sertão pela da favela carioca. Jeferson cresceu no Morro do Pavão-Pavãozinho enquanto o pai trabalhava de vigia e a mãe, de empregada doméstica.

“Com 8 anos, fui para o Solar e, com meus pais trabalhando, eu passava o dia todo lá, unindo o útil ao agradável: depois das aulas, fiz oficinas de musicalização – coral, flauta e percussão – balé, dança contemporânea, teatro, xadrez. Cheguei a participar de um espetáculo teatral com o Grupo Nós do Morro e a oficina de percussão, a minha paixão e um hobby até hoje, era uma parceria com o Monobloco. Utopicamente, eu gostaria que todas as escolas fossem como o Solar”, diz Jeferson.

Jeferson, quando criança, na oficina de percussão do Solar, com músicos do Monobloco

O Solar Meninos de Luz, organização apoiada pelo Instituto Phi desde 2016, promove educação integral, cultura, esportes, apoio à profissionalização, cuidados básicos de saúde e assistência social a famílias vulneráveis das comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo.

“Quando falamos em educar para libertar, é porque desejamos que os nossos meninos de luz utilizem as oportunidades oferecidas em nossas salas para alcançarem qualquer objetivo que desejam. E não há nada melhor do que vê-los voar longe”, diz a diretora pedagógica do Solar, Isabela Maltarolli.

Ao se formar, Jeferson ingressou na graduação em Ciências Biológicas da UERJ, que emendou no mestrado em Ecologia e Evolução, finalizado ano passado. Há um mês, ele deixou o Pavão-Pavãozinho para a cidade americana de St Louis, no Missouri.  Alugou um apartamento próximo à Universidade de Washington e se sustenta com a bolsa de pesquisador. Para o doutorando de 28 anos, seus pais ainda nem absorveram a novidade:

“Acho que eles não têm nem noção das diferenças de realidades. Nem eu imaginaria, até pouco tempo atrás, fazer um doutorado nos Estados Unidos. Não que eu achasse que não tinha capacidade, eu só não vislumbrava isso porque não era essa a minha realidade”, conta Jeferson, que tem uma irmã caçula, de 21 anos, que também estudou no Solar, já fez intercâmbio para aprendizado de inglês nos Estados Unidos e atualmente cursa pedagogia na UniRio.

Sobre o futuro, Jeferson espera que o Brasil valorize mais a ciência, destinando mais investimentos para pesquisas. Em tempos de pandemia Covid-19, aliás, a importância dos profissionais da área ficou mais evidente que nunca.

“Ainda não sei se minha vida vai me levar de volta ao Brasil, não porque não pensei nisso, mas porque não sei quais as oportunidades que vão surgir na minha carreira. Eu adoraria, porque sinto muita falta da minha família e da natureza. Em termos de biodiversidade, o Brasil dá de mil a zero”, diz o jovem doutorando.

Duration: , , .

Ex-morador de rua supera vício em drogas e conquista 920 pontos na redação do Enem

Assistido pela ABESPA, Alexandre Camilo atualmente é funcionário da entidade apoiada pelo Phi e quer cursar Letras para se aprimorar como escritor

Por quase um ano, Alexandre Camilo, de 55 anos, viveu nas ruas de Fortaleza. O vício em drogas o levou a essa triste situação. Sua trajetória começou a mudar em 2019 quando, no “fundo do poço”, sem nem chinelos para calçar, conseguiu uma passagem para Teresina (PI) e, lá, conheceu a Associação Beneficente São Paulo Apóstolo – ABESPA, mantenedora da Pastoral do Povo da Rua e apoiada pelo edital do Movimento Bem Maior, com gestão do Instituto Phi. Agora, Alexandre comemora a pontuação na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020: ele atingiu 920 pontos, de um total de 1.000, e quer cursar Licenciatura Plena em Letras -Português.

Alexandre é carioca, graduado em Biologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e tem mestrado em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCar. Trabalhou como professor e pesquisador, mas a dependência química acabou com seu casamento e sua carreira. Ele foi para Fortaleza (CE) em busca de novas possibilidades de trabalho, mas o uso de drogas se intensificou e ele viveu por nove meses em situação de rua, antes de mudar-se para Teresina.

Quando chegou à capital piauiense, Alexandre começou a frequentar a Pastoral do Povo de Rua para tomar o café da manhã oferecido pela entidade, que atua com reintegração social e resgate da cidadania de pessoas em situação de rua, oferecendo atendimentos com equipe formada por médico, dentista, psicólogo e assistente social, além de orientação individual e em grupo, palestras e oficinas. Passou de usuário de drogas para colaborador voluntário da Pastoral e, então, foi contratado como monitor social da recém-inaugurada Casa de Acolhimento.

Quando ainda era voluntário na Pastoral, Alexandre se casou com a pedagoga Lucinete Mascarenhas, que também atuava – e ainda atua – como voluntária. Eles coordenaram a implantação do projeto “Fazendo Arte – Teatro, Coral e Dança” na entidade e, paralelamente, Alexandre escreveu seu primeiro livro de poesias e estudou para o Enem através de videoaulas no YouTube. No início deste ano, ele fez a prova e agora aguarda a classificação para uma universidade federal ou estadual, confiante dos resultados.

“As drogas me tiraram tudo, é uma vida de escravidão. A Pastoral me deu um apoio imenso para eu voltar a comandar a minha vida. Agora, para dar continuidade ao meu trabalho como escritor, quero me aprofundar nos estudos da Língua Portuguesa. Já estou com meu segundo livro quase pronto. Desejo que essa nota represente mais que uma aprovação na universidade, que ela transmita esperança para todos que vivem na situação que eu vivi, que acreditem que também podem dar a volta por cima”.

Duration: , , .

Aprendizagem e diversão contra o estresse infantil

São Paulo

Quando Lucas Velozo, de 7 anos, chegou no Projeto Arrastão, no fim de 2019, era um menino disperso e muito tímido. A autoestima era afetada, já que Lucas tem alopecia, uma doença capilar de origem genética e emocional que provoca a queda de cabelo – as crises de queda podem se associar a períodos críticos de estresse, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia. Em um ano, apesar do isolamento imposto pela pandemia de Covid-19, sua história mudou. O vínculo criado com os outros “peixinhos” do Projeto Arrastão, graças ao empenho da equipe de educadores que cuida do “cardume” em promover esse entrosamento, e a empolgação com as atividades propostas, tornaram Lucas um menino “destemido”, nas palavras da educadora social da organização, Andreia Aparecida Correia.

Lucas em atividade do Projeto Arrastão no início de 2020 (antes da pandemia)

“Ao longo do tempo, ele foi encontrando seu espaço, criando vínculo com a turma e os educadores e se mostrando um menino atencioso, amoroso e dedicado às suas atividades. Assim, foi bem perceptível a sua evolução ao longo do ano. Para além das questões técnicas, seu cabelo se fortificou um pouco e a sua empolgação e alegria hoje deixam a timidez de lado. Lucas se transforma em uma criança destemida e enérgica”, conta Andreia.

O Projeto Arrastão é uma organização sem fins lucrativos que faz o acolhimento e dá suporte às famílias da região do Campo Limpo que vivem em condição de pobreza – são 644 beneficiários, dentre crianças e jovens. O trabalho de promoção humana e de desenvolvimento da comunidade é realizado através de programas nas áreas de educação, cultura, geração de renda e qualidade de vida.

Com foco no desenvolvimento integral, o Centro da Criança e do Adolescente do Projeto Arrastão, que tem o apoio do Instituto Phi, trabalha o desenvolvimento cidadão dos educandos, dando voz às suas questões cotidianas. Aprendizagens fundamentais para a faixa etária, como leitura, música, artes, informática e educação ambiental fundamentam o alicerce para o desenvolvimento de pensamento crítico e autonomia das crianças e jovens.

A mãe de Lucas, Leila Velozo, se emociona com a evolução do menino:

“Lucas entrou no projeto ressabiado e ele era bastante disperso. Mas no início de 2020, já mostrava curiosidade e entusiasmo com os novos amigos e a educadora.  De repente, veio a pandemia e tudo mudou para todos, mas apesar disso, foi um ótimo ano para o Lucas. As atividades continuaram remotamente e ele esperava os vídeos e as lições ansiosamente. Passamos por dificuldades, mas o projeto não nos desamparou: recebemos cestas básicas, materiais de limpeza, apoio emocional. O desenvolvimento do Lucas é nítido”.

Duration: , .

English (UK)
Português do Brasil English (UK)
Created and developed by Refinaria Design