Donate
login

Informs PHI

Articles and interviews

Nova rodada de aprendizado e investimentos de impacto

Com a proposta de aprender, acompanhar e conhecer os resultados de investimentos em negócios de impacto socioambiental, em 2016, 22 fundações e institutos familiares, empresariais e independentes se uniram para criar o FIIMP – Fundações e Institutos de Impacto. O grupo compôs um fundo de R$ 737 mil, que foi usado para apoiar seis negócios de impacto. A experiência foi tão positiva que diversos membros, além de outras organizações, manifestaram interesse em realizar uma segunda rodada de investimentos e aprendizagem. Assim, no início de 2019, foi lançado o FIIMP 2.

Nessa edição, são 19 participantes, que já compuseram um fundo de aproximadamente R$ 1,1 milhão. São eles: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), BMW Foundation, British Council, Fundação Banco do Brasil, Fundação Grupo Boticário, Fundação Tide Setúbal, Fundo Vale, Gerdau, Instituto C&A, Instituto de Cidadania Empresaria (ICE), Instituto Clima e Sociedade (ICS), Instituto Dynamo, Instituto GPA, Instituto Humanize, Instituto InterCement, Instituto Lab60+ Semente Oré, Instituto Sabin, Instituto Vedacit e Instituto Votorantim. O grupo conta com o suporte técnico da Aoka Labs e do GIFE – Grupo de Institutos Fundações e Empresas, além do apoio à gestão financeira do Instituto Phi.

Na busca por instituições que já atuam no campo de negócios de impacto e que pudessem ajudar o grupo a entender melhor cada etapa de desenvolvimento dos negócios sociais, o FIIMP 2 criou um processo de seleção com 12 intermediários e selecionou seis, que atuam no fomento de negócios de impacto, potencializando a capacidade de gerar impacto positivo. São elas: Choice, Din4mo, Fundo Éditodos, Parceiros pela Amazônia (PPA), Semente Negócios e Vale do Dendê. Assim, ao longo de dois anos (2019/2020), as iniciativas selecionadas por essas intermediárias via edital receberão apoio técnico e financeiro – um percentual do valor total será doado ao intermediário e outro será destinado ao investimento nos negócios de impacto.

Diferente de filantropia, o investimento de impacto consiste no direcionamento de capital público ou privado por instrumentos financeiros – como empréstimo, contratação ou investimento – que são alocados em negócios de impacto com o compromisso de gerar impacto social e/ou ambiental com rentabilidade financeira.

“Este potencial retorno para o investidor pode gerar mais recursos para o próprio campo de negócios de impacto social. Trata-se de mais uma estratégia, complementar às doações para organizações da sociedade civil, para que possamos solucionar os complexos problemas sociais e ambientais que desafiam nossa sociedade”, destaca Luiza Serpa, diretora-executiva do Instituto Phi.

No fim de setembro, o grupo que compõem o FIIMP 2 esteve reunido em São Paulo com os seis intermediários para acompanhar a fase em que cada um está e seguir com o planejamento do novo ciclo de trabalho. Confira a seguir uma síntese da atuação de cada uma:

Choice

O Choice UP é um programa de pré-aceleração do Movimento Choice voltado a jovens empreendedores de negócios de impacto socioambiental em estágio inicial. Nas fases de imersão, desafio e demoday (bateria de curtas apresentações ou pitchs) os participantes avaliam seu modelo de negócio e impacto social, sua proposta de valor, estratégia e equipe sob a orientação de profissionais da área e empreendedores. Tudo isso em apenas duas semanas.

Um dos principais diferenciais implementado pelo Choice foi investir em uma pesquisa de campo para conhecer ecossistemas fora do tradicional eixo Rio-São Paulo, focando o trabalho em dois polos: Brasília (DF) e Campina Grande (PB). A chamada de projetos foi realizada em setembro e selecionou 35 iniciativas.

Din4mo

A Din4mo já fez sua chamada para seleção de startups de impacto socioambiental. Dentre 129 inscrições, selecionou quatro com faturamento acima de R$ 250 mil para receber consultoria em estruturação de captação. Ao final de três meses, duas dessas iniciativas serão investidas.

Dentre os resultados esperados para as startups estão a simplificação do processo de captação, acesso a um pool mais amplo de investidores de impacto e capacidade de declarar com mais propriedade seu modelo de negócio e tese de impacto, bem como ampliação das chances de investimento futuro e escala.

Fundo Éditodos

Coalização formada por 12 entidades – entre OSCs, aceleradoras e negócios sociais – que se uniram com o objetivo inicial de captar recursos por meio de um fundo de investimento próprio. Nos últimos anos, o grupo vem se organizando e buscando oportunidades para estruturar-se como fundo propriamente dito.

Quatro organizações da coalização estão envolvidas, com empreendedores da base da pirâmide, na execução das atividades do FIIMP 2: Afrobussiness/Conta Black, Agência Popular Solano Trindade, FA.VELA e Feira Preta.

A Agência Popular Solano Trindade investirá em microcrédito para empreendedores de gastronomia na Zona Sul de São Paulo e a Afrobusiness/Conta Black utilizará a mesma estratégia para potencializar a inclusão de empreendedoras negras na cadeia de valor de empresas parceiras.

A FA.VELA, por sua vez, vai estimular o comportamento empreendedor de 65 pessoas residentes nas favelas e periferias da região metropolitana de Belo Horizonte com a oferta de mentorias mensais que vão somar cerca de 90 atendimentos até a conclusão do projeto em 2020. A Feira Preta desenvolverá estratégia de escoamento de produção e mobiliário especial para exposição de produtos em espaços de comercialização, como shoppings de São Paulo, Brasília e Belo Horizonte.

Parceiros pela Amazônia

A plataforma de ação coletiva busca a construção de soluções inovadoras para o desenvolvimento sustentável, conservação da biodiversidade, florestas e dos recursos naturais da Amazônia.

A Chamada de Negócios 2019 recebeu 201 inscrições e 38 negócios foram classificados para a próxima fase. Os selecionados vão participar de uma rodada de negócios com investidores para aporte financeiro e a vagas no Programa de Aceleração da PPA. O programa inclui capacitações temáticas presenciais, mentorias personalizadas, coworking, assessorias jurídica, contábil, em marketing e branding, além de bolsas para participação em formações e eventos.

Semente Negócios:

A organização apresentou o “Acelera – Inovação Social”, uma iniciativa 100% online, com duração de seis meses, que visa preparar negócios de impacto para captação de investimento. Atualmente, a ação está em fase de mobilização e comunicação para captar inscrições. Serão selecionados 10 negócios com modelo de negócio já validado, com faturamento acima de R$ 50 mil/ano e com potencial de escala.

Vale do Dendê

A aceleradora selecionou 30 empreendedores para a segunda rodada de aceleração de negócios de Economia Criativa. Após a primeira etapa de pré-aceleração, dez negócios vão receber consultorias, mentorias e participar de atividades de formação nos meses de outubro e novembro. No dia 29 de novembro, durante o demoday, cinco negócios serão escolhidos para receber investimento.

A novidade dessa nova rodada será a possibilidade de somar aos recursos do FIIMP 2 um aporte via plataforma de matchfunding. Cada empreendimento receberá, por meio da Vale do Dendê, R$ 10 mil como capital-semente e poderá multiplicar esse valor por meio de uma campanha de financiamento colaborativo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

MAIS DO INFORMA PHI

Articles and interviews

Boletim Phi: De vida em vida, salvamos a humanidade

Articles and interviews

Phi lança boletim semanal

Articles and interviews

ONGs esperam ser incluídas em medidas de apoio dos governos

Articles and interviews

Solidariedade e cooperação, a nova ordem social

Articles and interviews

Solidariedade no combate ao coronavírus

Articles and interviews

Rio contra o Coronavírus
English (UK)
Português do Brasil English (UK)
Created and developed by Refinaria Design