Doe
login

Projetos Apoiados Informa PHI

Acelera – Inovação Social

Chamada para negócios de impacto socioambiental: até 1º de outubro, estão abertas as inscrições para o programa Acelera – Inovação Social, da Semente. Serão selecionados 10 negócios com modelo de negócio já validado e com potencial de escala. O programa é gratuito e tem duração de seis meses. A Semente é uma das aceleradoras parceiras do projeto FIIMP – Fundações e Institutos de Impacto, que tem a proposta de investir de forma conjunta em negócios de impacto social e acompanhar os resultados, e o Instituto Phi faz a gestão financeira do FIIMP 2.

Sobre a Semente

A Semente Negócios é uma empresa de educação empreendedora que tem como objetivo distribuir a capacidade de inovação. Na vertical de impacto, atua para alavancar o empreendedorismo inovador como instrumento de desenvolvimento territorial.

É pela parceria com institutos e fundações que aplica o efeito multiplicador através de programas de desenvolvimento territorial, de inovação social e da aplicação de metodologia e conteúdo.

Informações: https://www.sementenegocios.com.br/acelera-inovacao-social.

Vigência: , , , .

Congresso Internacional de Captação de Recursos

Cerca de mil captadores de recursos e agentes de mudança de mais de 60 países e 500 organizações globais se encontram durante quatro dias no International Fundraising Congress (IFC), conferência de captação de recursos que será realizada de 15 a 19 de outubro, na Holanda. Além de novos formatos e temas, o IFC tem excelentes palestrantes já confirmados e participação, na sessão de abertura, de William Kamkwamba, que inspirou o filme “O menino que descobriu o vento” (Netflix). As inscrições podem ser feitas no site https://resource-alliance.org/events/ifc/ e mais informações podem ser obtidas com Mariana Chammas, embaixadora da The Resource Alliance no Brasil (marianachammas@socioambiental.org).

Vigência: , , , .

Seminário sobre Blended Finance

Com a proposta de apresentar estratégias inovadoras para alavancar o financiamento de projetos de impacto social, a Din4mo, em parceria com Convergence e Invest Social, promove o 1º Seminário sobre Blended Finance do Brasil. O evento, gratuito e aberto ao público, será realizado no dia 18 de setembro na EBAC – São Paulo. Inscrições no site bit.ly/SeminarioBlended – as vagas são limitadas.

Boa oportunidade para discutir formas de mobilização de capital para financiar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU!

Sobre a Din4mo:

A Din4mo é uma empresa especializada na promoção de negócios com impacto social positivo, e que tem como missão fortalecer empreendedores que transformam a realidade em que vivemos. 

Por meio de consultoria sênior e investimento qualificado, a Din4mo apoia diretamente os negócios e intermedia o desenvolvimento de projetos junto a empresas, institutos e fundações empresariais.

Descubra mais em: http://din4mo.com

Sobre a Convergence:

A Convergence é uma rede global de Blended Finance e um dos principais atores desse campo reconhecido internacionalmente. Gerando dados financeiros, inteligência e fluxo de negócios para aumentar o investimento do setor privado nos países em desenvolvimento por meio de Blended Finance. Eles geram dados financeiros, inteligência e fluxo de negócios de Blended Finance para aumentar o investimento do setor privado em países em desenvolvimento.

Descubra mais em: https://www.convergence.finance/about

Sobre a Invest Social:

A Invest Social é uma joint venture entre o Grupo Gaia e a Din4mo. A empresa tem como foco assessorar a estruturação de operações de financiamento via o mercado de capitais, para empresas e projetos de impacto socioambiental. Seu principal objetivo é oferecer soluções inovadoras apoiadas em estratégias de Blended Finance para fortalecer o fluxo de capital destinado aos ODS. A empresa foi pioneira na emissão da primeira debênture de impacto social do Brasil em Janeiro de 2018.

Descubra mais em: http://investsocial.com.br/

Vigência: , , .

Lab Habitação e Moradia

A Artemisia Brasil e a Gerdau procuram empreendedores de todo o país para participar do Lab Habitação e Moradia, programa gratuito que irá potencializar negócios do setor. Serão selecionadas até 15 startups para uma jornada de 5 semanas com mentorias de lideranças de grandes empresas do setor da construção e capital-semente aos destaques. O Phi vai disponibilizar conhecimento técnico e selecionar, de acordo com critérios próprios, os 15 negócios para potencialmente os apresentar a investidores filantrópicos da rede.

Realizado pela Artemisia e pela Gerdau, o programa conta com o apoio do Instituto Vedacit, Tigre, Votorantim Cimentos, CAIXA e CAU/BR e tem o objetivo de fortalecer soluções de impacto que ajudem a tornar as moradias de milhares de brasileiros e brasileiras mais salubres, dignas e confortáveis.

Inscrições abertas até 12 de setembro no www.artemisia.org.br/labhabitacao.

Vigência: , , .

Pontes sobre o abismo de desigualdades

E se 12 milhões de ricos doassem R$ 100 por mês para filantropia?

Luiza Serpa*

(Artigo publicado originalmente no jornal O Globo: https://oglobo.globo.com/opiniao/artigo-pontes-sobre-abismo-de-desigualdades-23930377)

A despeito da crise econômica, os 10% mais ricos do país – um universo de 12 milhões de brasileiros – têm renda mensal média de R$ 9.519,10 ao mês, de acordo com dados do IBGE de 2017.

Por outro lado, 54,8 milhões de brasileiros – 26,5% da população – vivem na linha de pobreza e têm renda familiar mensal equivalente a R$ 406 (IBGE). Já a população na condição de pobreza extrema representa 7,4% do total de brasileiros: são 15,3 milhões de pessoas, em famílias que dispõem de R$ 140 por mês para viver.

O percentual de pobreza por grupo etário de maior concentração é o de crianças e jovens. São 5,2 milhões de brasileiros de 0 a 14 anos na extrema pobreza e 18,2 milhões na pobreza.

Para o país eliminar a pobreza extrema, segundo o IBGE, seria preciso investir, por mês, cerca de R$ 1,2 bilhão, num total de R$ 14,4 bilhões/ano. Já com R$ 10,2 bilhões mensais seria possível erradicar toda a pobreza do país.

E se todos aqueles 12 milhões de ricos doassem R$ 100 por mês – R$ 1,2 mil ao ano – para filantropia?

O investimento social privado chegaria justamente a, vejam só, R$ 14,4 bilhões/ano. Bem acima dos valores de R$ 2,9 bilhões movimentados em 2016, segundo o relatório mais recente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Ou seja: o fim da pobreza extrema no país é viável, e em apenas um ano.

Precisamos derrubar muros. Muros de desconfiança, de distanciamento, de falta de visão de que a desigualdade brutal é ruim até mesmo para a sobrevivência do atual capitalismo.

Precisamos construir pontes sobre o abismo de desigualdades do país. As organizações não-governamentais ocupam lacunas dolorosas para a sociedade brasileira nas áreas de saúde, educação, cultura e arte, esporte, acessibilidade, direitos humanos, geração de renda, habitação, assistência social, segurança pública e meio ambiente.

Mais que nunca, é chegada a hora de cruzar essas pontes.

*Luiza Serpa é co-fundadora e diretora-executiva do Instituto Phi, que faz planejamento estratégico e assessoria de filantropia pessoal, familiar e corporativa

Português do Brasil
English (UK) Português do Brasil
Criado e desenvolvido pela Refinaria Design